Entendendo o Scribus:2

From Scribus Wiki
Jump to: navigation, search
 Entendendo o Scribus
Autores atuais:   Autores da Wiki do Scribus
Autor original:   Niyam Bhushan, 2004
Licença:   GNU Free Documentation License, Versão 1.2
Título original:   Get Started With Scribus 2006
    
 Capítulo II
editar

Introdução

  1. O que você pode fazer no Scribus
  2. Scribus e seus primos
  3. Em branco...
  4. A Capa
  5. Trabalhando com camadas na página
  6. Criando múltiplas páginas
  7. Criando layouts de página definitivos
  8. Design com gráficos e liberdade
  9. Mandando ver com gráficos SVG
  10. Publicar exige Liberdade.PDF
  11. Viajando à velocidade do Scribus
  12. Contribuidores
  13. GNU Free Documentation Licence

Baixando o Scribus

Aviso: Saiba o que você está fazendo! O processo de instalação do Scribus pode ser tanto simples como complicado, dependendo do tipo de instalação que você optar. De modo geral, àqueles que não são familiarizados com o processo de obtenção, compilação e instalação de programas a partir de seu código-fonte, é recomendado o uso de pacotes pré-compilados específicos de cada sistema. Existem pacotes pré-compilados para várias distribuições e versões de Linux, além dos binários para Mac OSX, Windows, EComStation e OS/2. Vale lembrar que a instalação automática dos binários são sua única opção no caso do Scribus para Windows (lembre-se que as versões 2000 ou XP são requeridas, anteriores não funcionarão).

Algumas dicas:
  • Peça ajuda a um amigo que saiba instalar o Scribus na sua plataforma (plataformas como Linux, Mac OSX, Windows...)
  • Consulte os arquivos da nossa lista de correio eletrônico.
  • Se você ficar perdido ou preso em alguma parte, envie um e-mail para nossa lista (requer registro). O que eles gostarão de saber de ante mão: Plataforma (leia-se sistema operacional), sua distribuição (no caso dos Unixes) e versão do sistema, a versão do Scribus em questão e, obviamente, uma descrição detalhada do problema, se possível.

Modo fácil, como naquela música...

Debian apt-get install scribus
Fedora Core - "Automático" use o YUM (como super-usuário)
yum install scribus
Todas as dependências deverão ser resolvidas automaticamente.
Fedora Core - "No Braço" baixe o pacote RPM e instale-o (também como super-usuário) com
rpm -ivh scribus-exatamente-como-está-no-arquivo (ex. scribus-1.3.3.2-1.suse101.i686.rpm)
Esteja preparado para resolver as dependências que aparecerão.
Gentoo emerge scribus
Mandriva use o URPMI (como super-usuário)
urpmi scribus
Todas as dependências deverão ser resolvidas automaticamente. Veja mais sobre repositórios para Mandriva.
PLD poldek -i scribus
SUSE Adicione o repositório e use o Yast2 ou o modo "No Braço" como descrito acima
(X)(K)Ubuntu Por favor, veja este artigo.
Mac OSX. Acesse esta página e siga as instruções
Windows Importante: Primeiro, leia as instruções aqui ou aqui
e só então baixe o programa (versão

1.3.3.11).

OS/2 / eComStation Importante: Obtenha os arquivos aqui. Por favor, note que o Scribus para esta plataforma ainda está em estágio beta devido às dependências de outros programas, mesmo que o Scribus tenha sido executado sem problemas. Dê o seu feedback !


Modo "No Braço": Hora de compilar

O processo básico:
  • Baixe o código-fonte
  • Descompacte-o
  • Entre no diretório resultante (use o cd)
  • ./configure
  • make
  • make install (como super-usuário, caso você não esteja instalando o programa localmente)

Visite www.scribus.net e dirija-se à seção de downloads. Por favor, leia as instruções de instalação a partir do código-fonte (em inglês). Há informações detalhadas sobre requerimentos e opções também dentro dos arquivos INSTALL e README inclusos no pacote fonte.

Caso você queira tentar uma versão recém saída do forno (conhecida como bleeding-edge ou nightly builds em inglês) com recursos novíssimos e provavelmente instáveis ou ainda não finalizados, o CVS do Scribus é a melhor opção (em breve será substituído pelo SVN). Informações sobre instalação através do CVS também estão disponíveis no site da documentação on-line.

Leia as versões em português nos artigos Obtendo o Scribus a partir do CVS e Nota sobre o 1.3.4.cvs para maiores detalhes.

Adobe Reader

O Scribus é uma ótima ferramenta para a criação de PDFs, porém, nem todos os leitores de PDFs podem oferecer um visualização íntegra do documento criado, especialmente no Linux. Então, vá ao site da Adobe* e instale a última versão nativa do Adobe Reader para sua plataforma.

* Algumas distros possuem o pacote de instalação no próprio repositório ou CD de instalação.

Cores fieis à realidade

Se você deseja criar designs para publicações, um gerenciamento de cor que garanta fidelidade à cor impressa é imprescindível. Para tanto, você precisará obter um programa especializado chamado Color Management System (CMS, pra facilitar). Ambos Windows e Mac possuem esse sistema incluso por padrão, ICM e ColorSync, respectivamente. No Linux você precisará instalar (caso sua distro não inclua por padrão) o LittleCMS. Pacotes binários estão disponíveis nos CDs e repositórios de diversas distros mas também há a opção de instalação a partir do fonte, aos moldes da instalação do Scribus. Neste tutorial o LittleCMS não se faz necessário, porém ajudaria bastante.

Fontes existentes

Sabe aquela coleção de fontes que você tanto adora? Então, elas poderão se utilizadas no Scribus também. Instale suas fontes TrueType, Postscript ou OpenType no Linux. O site da documentação oficial possui instruções de como instalar fontes no Linux, além de alertar sobre o uso de fontes de má qualidade. De qualquer modo, nenhuma fonte especial será requerida neste tutorial, então você pode começar sua publicação agora mesmo!

Scanear é com o Sane

Você pode usar o sane para scannear imagens ou aplicar o OCR em textos. No Linux, uma diversa gama de interfaces gráficas estão disponível para o uso conjunto ao Sane. O Kooka é um dos mais conhecidos. Consulte o repositório da sua distro para mais programas.

Outras dicas

  • Crie um diretório com o nome FreedomYug na pasta de sua preferência (ex. /home/seu-nome/Documentos/FreedomYUG/). Dentro dele, crie mais duas pastas; uma para imagens e outras para textos.

Isto pode parecer desnecessário mas lembre-se que uma revista possui diversas fotos e textos em cada página. Misturar arquivos pode criar um imensa confusão (pense numa revista de 20 páginas com 5 seções e diversas matérias por seção). Também é interessante tipificar de alguma forma os diferentes tipos de imagens para os respectivos arquivos. Criar sub-pastas é o método mais eficiente e "limpo", mas dar nomes especiais aos arquivo também funciona bem (ex. seção_1-artg-foto1.png)*.

  • Considere o tipo certo de extensão para o seu arquivo.

Há diversas extensões possíveis para imagens e textos. Prefira aquelas que se adeqüem ao seu fluxo de trabalho e que priorizem a interoperatividade de formatados. Você não vai querer um arquivo .CDR dentro de sua revista, vai?

* Cuidado com os nomes de arquivos com acentos e caracteres especiais. Alguns sistemas mais antigos não são compatíveis com a codificação universal (como a UTF8/16) e podem criar problemas na transferência desses arquivos para outros sistema (ex. iso 8859-15 para UTF-8). A maioria das distribuições Linux adotam UTF-8, enquanto o Windows adota outras codificações como a Windows-1251.